PENSAR TRÁFEGO NA CIDADE

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

sexta-feira, 15 de maio de 2015

terça-feira, 12 de maio de 2015

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

terça-feira, 10 de junho de 2014

quarta-feira, 4 de junho de 2014

sexta-feira, 18 de abril de 2014

quinta-feira, 17 de abril de 2014

quarta-feira, 9 de abril de 2014

terça-feira, 8 de abril de 2014

MANELO LISBOA

domingo, 6 de abril de 2014

Av da Pontinha EM CARNIDE ao S L Benfica

ESTAMOS A ASSISTIR AQUI NA FREGUESIA DE CARNIDE A UMA INTERVENÇAO BRUTAL PARA REGULARIZAR ALGUNS DOS ERROS DE CONSTRUÇAO VIÁRIA, APROVEITANDO-SE O FACTO PARA ASSIM UMA ENTIDADE PRIVADA VIZINHA DO COLOMBO REGULARIZAR E AUMENTAR O ESTACIONAMENTO DEPOIS DO ERRO GRAVE DE SE TER FEITO UMA VIA COM 3 A 4 FAIXAS EM CADA SENTIDO NUMA ZONA DE BAIRRO QUE EMBORA SENDO ESTA AV DA PONTINHA UMA AVENIDA DE LIGAÇAO PRIMÁRIA NAO DEVERIA DE MANEIRA NENHUMA TER SIDO CONSTRUIDA COM PERFIL TAO LARGO(NEM SEQUER É INTENSAMENTE UTILIZADO), DESCURADO ASSIM COM ESTA OCUPAÇAO DE PERFIL O ESPAÇO EXISTENTE NA ÉPOCA QUE ACABOU POR RESULTAR NUM PERFIL QUE NÃO PREVE ESTACIONAMENTO E OU CARGAS E DESCARGAS E TOMADA DE PASSAGEIROS O PRÓPRIO DESNIVEL DA AVENIDA É TAO EXAGERADO QUE DAÍ DERIVAM MUROS DE SUPORTE TAO ALTOS QUE DEVERAO SER MELHOR ESCORADOS. FOI POIS UM ERRO MEGALÓMANO CRIAR NA ENTRADA DA CIDADE AVENIDAS COM TANTAS FAIXAS.
QUEIRAM SABER OS MEUS LEITORES QUE EXISTE UM PROJECTO DE REDUÇAO PARA DUAS FAIXAS EM CADA SENTIDO NA SEGUNDA CIRCULAR. ESTA VISÃO NÃO É CONSENTANEA COM OUTRA DUM EX PRES DE CAMARA E DO SPORTING QUE ACHAVA QUE A SEGUNDA CIRCULAR DEVERIA TER PORTAGENS E OU HORÁRIOS DE ATRAVESSAMENTO. PENA É QUE ESTAS COISA MUITAS VEZES SEJAM DECIDIDAS POR QUEM NÃO PERCEBE NADA DISSO. A LÓGICA DA BOA FLUENCIA DE TRAFEGO DENTRO DAS CIDADES É TRAÍDA A TODO O MOMENTO COM A CONSTRUÇAO DE AVENIDAS COM MAIS DE DUAS FAIXAS EM CADA SENTIDO E PIOR QUANDO O SÃO EM ZONAS RESIDENCIAIS. ESPEREMOS MEUS CAROS CONCIDADAOS QUE NÃO APAREÇA NENHUM POLITICO A PRETENDER QUE ALGUMA VEZ SE AUMENTEM EM MAIS DUAS FAIXAS A MARGINAL LISBOA CASCAIS.
SOBRE A SEGUNDA CIRCULAR DIREI E QUE FIQUE PARA MEMÓRIA QUE FOI DESRESPEITADO O SEU PERFIL INICIAL E QUE BASTAVA MANTER AS 3 FAIXAS EM CADA SENTIDO GARANTINDO APENAS ESCAPATORIAS DE SAÍDA E GARANTIRIAMOS A POSSIBILIDADE DE COLOCAR UMA ZONA CICLAVEL E PEDONAL E DE MANEIRA NENHUMA ILETRICOS RAPIDOS MAS UM CORREDOR BUS COM AUTOBUS ELECTRICOS E RECORTE PARA AS PARAGENS DOS MESMOS. HÁ ZONAS ONDE HÁ DUAS E TRES FAIXAS EM ACESSOS AO EIXO NORTE SUL QUE SÃO IGUALMENTE EXORBITANTES NA SUA LARGURA DE PERFIL, SENDO QUE FICARIA MAIS BARATO AO ERÁRIO PUBLICO ZEBRÁ-LOS COM PINTURA FICANDO APENAS UTILIZAVEIS PARA VEICULOS DE EMERGENCIA E DEVIDAMENTE POLICIADOS PARA ESSE EFEITO. HÁ POIS FORMA DE CONTROLAR ERROS DE CONCEÇAO DO PASSADO DE FORMA ECONÓMICA E SEM ESTAR SEMPRE A CORRIGIR PERFIS CANDEEIROS E ESTRUTURAS SUBTERRANEAS DE EQUIPAMENTO: ANULAR E DELIMITAR COM PINTURA OS EXCESSOS DE PERFIS QUE SE ENTENDERIAM MELHOR EM AUTOESTRADAS E AINDA ASSIM COM FAVOR…
MANUEL JORGE

quarta-feira, 26 de março de 2014

PEQUENAS DICAS A PEQUENOS ERROS VIARIOS

video
 É UMA PEQUENA COISA MAL FEITA, E DIGO QUE É MAL FEITA E SEI O QUE DIGO! SE NAO REPAREM  NO VIDEO E NAO É PRECISO SER MUITO ESPERTO PARA VER QUE ISTO PREJUDICA QUEM ALI PASSA .

BENFICA ESTADIO ACESSO PEAO VERGONHOSO (+lista de reprodução)

quarta-feira, 19 de março de 2014

domingo, 15 de dezembro de 2013

domingo, 3 de junho de 2012

AI MEU RICO JARDIM DA LUZ

AI MEU RICO JARDIM DA LUZ, QUE PENA NÃO TEREM FEITO UMA OBRA COMO DEVE SER E CONTINUARES A DAR-ME A TUA CRUZ!
video
SIM! VAMOS TER MENOS ESTACIONAMENTO; MENOS ESPAÇO DE CIRCULAÇÃO PARA O PEÃO ; MENOS SEGURANÇA NA CIRCULAÇÃO, PORQUE NAO FORAM EVITADOS CRUZAMENTOS E CONFLITOS QUE PODIAM SER EVITADOS.E O ACESSO AO TEATRO DA LUZ E AOS RESTAURANTES,QUE QUEM QUIZER ACEDER A ESTES TEM QUE ANDAR A SALTAR UMA VALETA?

terça-feira, 25 de outubro de 2011

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

CRITICA À CICLOVIA CAMPO GRANDE - BENFICA

PARTE 7

MESMO QUE NAO SE PENSASSE QUE A CICLOVIA IRIA RECEBER VÁRIAS ATIVIDADES DESPORTIVAS...AÍ ESTÁ A PROVA. HOJE FORAM VÁRIAS A QUE ASSISTI.

video

domingo, 2 de outubro de 2011

CRITICA À CICLOVIA LUZ CAMPO GRANDE

PARTE 6
A ENTREVISTA A UTENTES DA PISTA

video

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

CRITICA À CICLOVIA CAMPO GRANDE - BENFICA

PARTE 5
NO PERFIL QUE TINHAMOS ,À PARTIDA NA RUA DO SEMINÁRIO EM DIREÇÃO À ESC VERG FERREIRA...ERA POSSIVEL,TECNICAMENTE TERMOS UM PASSEIO PARA PEOES NO LOCAL ONDE NASCEU A CICLOVIA.AQUI ACONTECE O INVERSO,AQUI SÃO OS PEÕES QUE CIRCULAM NA PISTA POR NÃO HAVER PASSEIO! BRINCADEIRA? POIS...PARECE COISA DE MIÚDOS UMA VEZ MAIS!


video

CRITICA À CICLOVIA CAMPO GRANDE - BENFICA

PARTE4
UMA CICLOVIA,NÃO TEM DEIXAR DE O SER DURANTE UM MES ,SÓ PORQUE HÁ UMA FEIRA!MAS SE HOVER UM REBENTAMENTO DUM ESGOTO POR EXEMPLO...SIM!

video

CRITICA À CICLOVIA CAMPO GRANDE - BENFICA

PARTE 3
FAZ-SE UMA CICLOVIA EM CIMA DE PASSEIO MESMO QUE ESTE TENHA DIMENSÔES REDUZIDAS...E PRONTO!
COMO NÃO TERÁ PASSADO PELA CABEÇA DESTES COLEGAS PROJETISTAS,ACABAR COM UMA FAIXA DE AUTOMÓVEIS PARA COLOCAR A CICLOVIA NO ALCATRÃO E DEIXAR O PASSEIO PARA OS PEÕES?

video

CRITICA À CICLOVIA CAMPO GRANDE - BENFICA

PARTE 2
FRENTE À JUNTA DE CARNIDE


video

CRITICA À CICLOVIA CAMPO GRANDE - BENFICA

CRITICA 1 -QUINTA DA LUZ ATÉ AO JARDIM DA LUZ
A CICLOVIA CONSTRUIDA À DOIS ANOS E QUE DEU TANTA SLEUMA, DEFACTO, PARECE UMA BRINCADEIRA PARA MIÚDOS. É VULGAR VERMOS OS GRAÚDOS DE BICICLETA CIRCULAREM FORA DA PISTA. PORQUÊ? TALVES POR ISSO!
VÃO SER AQUI APRESENTADOS POR MIM ALGUNS VIDEOS ONDE VOU FIXAR-ME NO QUE JULGO MAL FEITO, PERIGOSO E OU DESCONCERTANTE OU A PRECISAR DE CORREÇÂO.TALVEZ A MINHA OPINIÃO CRITICA TENHA ALGUM VALOR, FICA AO CRITÉRIO DE QUEM ME "VIR". E QUE ESTA CHEGUE A ALGUEM DE DIREITO, COMPREENDE-SE QUE EM ÉPOCA DE CRISE...JÁ ESTÁ , JÁ ESTÁ...MAS NÃO REPETIR ERROS...ERA BOM!

video

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Faz hoje anos que ZECA AFONSO nos deixou

ZECA AFONSO, deixou-nos há 24 anos.
Eu, que aprendi o pouco que sei, a cantar "com ele", que é com quem diz com a influencia dos pemas e do canto dele. A 1ª vez que cantarolei um tema dele, alguém disse a meu lado, (tinha eu 20 anos, 1971), cala-te, se não ainda vais preso. A segunda vez que voltei a cantar um tema dele, foi no meio do mato em MOÇAMBIQUE 1973, ACABADINHO DE CHEGAR ÀS PORTAS DA GUERRA. Aí sim, pude dar largas à minha convição e desde aí tenho cantado os seus poemas entre amigos. Lembro-me que nessa noite de medo do ano de 1973 Julho no NIASSA, alguém me susurrou, nunca deixes de cantar ZECA, pois ajeitas-te. É ISSO QUE FAÇO ÀS VEZES.

sábado, 29 de janeiro de 2011

ROUBO DE BICICLETA NA GARAGEM PARTICULAR


ROUBAR BICICLETAS É UM ROUBO COMO OUTRO QUALQUER, SÓ QUE ROUBAR DO LOCAL DE PARQUE PRIVADO, SÓ DE MORADORES, NÃO SE ESPERARIA QUE TAL ACONTECESSE.


CLARO QUE FICAMOS CONVENCIDOS QUE UM VIZINHO TERÁ METIDO A BICICLETA DE OUTRO NO SEU CARRO GRANDE E SAÍDO COM ELA PELA GARAGEM PARA A LEVAR PARA LONGE DALI.


UMA VEZ QUE O CADEADO FOI CORTADO NÃO TERÁ SIDO UM POBRE RAPAZITO QUE PASSOU POR ALI (COM CHAVE DO PARQUE OU NÃO) QUE SE ENCANTOU DA BYKE! POIS NÃO! FOI UM ADULTO COM TUDO PREPARADO ATÉ AO MILIMETRO TENDO ESCOLHIDO A CALADA DA NOITE PARA O FAZER! GATUNO!.. AQUI TAMBÉM HÁ GATUNO! VILMA (DEPUTADA BRASILEIRA, QUE CHAMA OS BOIS PELO NOME!), DIRIA O MESMO!

domingo, 7 de novembro de 2010

A VIRAGEM NA ROTINA DA VIDA

A VIRAGEM NA ROTINA DA VIDA

Chega finalmente o momento em que deixamos de andar preocupados com o toque do despertador, em saber como é que está o tempo na 2ª circular de Lisboa, o tempo que o são Pedro nos mandou, enfim aquele stres que todos tivemos pela vida fora.
Julgamos então que vamos passar a ter tempo para tudo, para ler os livros que não lemos, etc, etc. Mas a sede de fazer coisas que durante uma vida de trabalho não pudemos fazer, leva-nos a esquecer outras e a entrar num novo tipo de stres.A vida tem destas coisas. Previnam-se os incautos e novatos na nova vida.Voltamos a ter uma nova oportunidade para regrar a nossa estadia por cá.

manelo

sexta-feira, 9 de julho de 2010

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Roma e Vaticano




Assis - Itália

">

Florença

De caminho a Bolonha

Itália - Reggio Emilia

">

Pádua, próxima paragem

Venice, peaceful and lovely

sexta-feira, 23 de abril de 2010

25 ABRIL sempre!

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Deus e Saramago

Publicada por jP e com a devida vénia a exponho aqui:
Adoro chuva! Adoro... Ajuda-me a dormir, arrefece-me a temperatura corporal quando me cai em cima, acalma-me... Faz-me vir à memória episódios passados, futuros e presentes, põe-me em reflexão. Desconfio que a chuva tem uma substância qualquer desconhecida, com propriedades aditivas, que me faz entrar numa espécie de transe meditativo. É como se ela trouxesse do céu lágrimas de Deus, da Natureza.Não sei em que Deus acredito... sei que não é o da Bíblia nem o do Corão, nem nenhum outro registado algures. Não acredito que seja possível existir um só Deus, ou um Deus que se comporte de forma igual para toda a gente. Acho que o Deus que existir, é para nós como nós somos para ele, e para os outros. Por isso não acredito num Deus rigoroso. O meu Deus permite que brinquemos com ele, que lhe mandemos umas bocas. O meu Deus não se importa que Saramago diga que ele NÃO existe, desde que o não faça com maldade. O meu Deus não tem a mania da superioridade, exige respeito, não medo. Nada sei sobre o meu Deus, apenas que ele é muito parecido comigo. Também sei que está triste, com saudades, que também eu sinto.Deus chora, chora como uma criança que deixa os pais no primeiro dia de aulas. Chora quando vê a fome em África, e a falta de vergonha dos ocidentais, grupo em que naturalmente me incluo. chora quando vê a falta de respeito entre homens, e a sociedade que fede a medo e pudor. O meu Deus sofre por eu não ser o que gostaria que eu fosse, tal como eu sofro. E por isso chora, para aliviar a dor, para ter algum prazer com esse sofrimento. E por isso eu choro. E por isso eu gosto da chuva, das lágrimas de Deus.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

CIDADÃO DE LISBOA SEC XX E SEC XXI

HAJA QUEM OLHE PELOS LISBOETAS!

Lamento não ter podido estar no debate sobre a “Baixa Pombalina”.
De qualquer modo exponho aqui as minhas preocupações!
Tendo participado em 1984 na execução do projecto onde se deu pela primeira vez prioridade ao peão nesta cidade, observo que, desde essa data até agora, passando pelo arranjo viário de 1999, não se deu continuidade ao espírito de devolver maior espaço de circulação ao peão.
Afirmo que o esquema implantado em 1984 não teve nunca o apoio da PSP e dos cidadãos e não houve por parte da Câmara o acompanhamento natural de modo a garantir que o esquema fosse cumprido e melhorado: concretamente refiro o espaço pedonal sempre livre e calcetado, a tomada e largada de passageiros, as cargas e descargas devidamente demarcadas e aumentadas (de modo a não vermos nunca carros fora das zonas a isso destinadas e em cima de espaços pedonais obrigando o peão a acrobacias que até antes de 1984 não aconteciam porque havia uma maior exigência por parte da PSP).

Cabe aqui perguntar então, se soube a Câmara responder às necessidades de quem lá mora e dos que se deslocam para cargas e descargas, para que não se vá exigir à PSP o cumprimento de missões impossíveis.

Há aspectos a considerar na última remodelação / ajuste (desajuste direi eu). E porquê? Porque enquanto em 1984 a ideia foi aumentar o espaço pedonal, em 1999 misturou-se tudo: colocaram-se bancos, quiosques e mobiliário urbano deixando mais uma vez o espaço de circulação pedonal sujeito ao que sobra; criou-se também esta aberração de termos empedrado branco (de passeio) onde circulam carros e onde se colocaram semáforos … imagine-se!

Sempre que se coloca empedrado branco é para peões! Os veículos podem nele circular mas nunca retirar ao peão o seu máximo direito de o fazer!!!

Os semáforos deveriam ser tapados de imediato numa qualquer campanha pelo peão e esses espaços enganadores, como na Rua 1º Dezembro em Lisboa, deveriam ter o sinal de caminho pedonal com excepções de circulação automóvel (sem semáforos) vinculada. Na Praça Dom João da Câmara não tem que haver um cruzamento de veículos: os veículos que vêm dessa rua deverão virar à direita para o Rossio.



Aos táxis deverá continuar a ser proibido tomar ou largar passageiros em zonas de paragem proibida, como a todos os veículos e deve ser autorizado, isso sim, nas paragens de bus, alterando-se o sinal que diz pp exc autocarros ou carris, para pp exc transportes públicos.
Não o são eles quando circulam no Bus?
Isto é possível pois as paragens Bus têm 50mts e é preferível vê-los parar por breves segundos na paragem Bus do que numa curva, em 2ª fila ou em cima duma passadeira!!!
Um cidadão de Lisboa,
Manuel Jorge.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

ESTOU PREOCUPADO! CLARO QUE ESTOU PREOCUPADO!

- À ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DA QUINTA DA LUZ

- Ao Presidente da Junta de Carnide

- AO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

Se eu vos disser que muito do que se faz na via pública está mal feito, vocês dirão: - que aborrecimento, lá vem mais um crítico a entravar o progresso!
Mas não, não será o caso. A prova de que não será o caso é a de que tenho obra feita suficiente para me orgulhar dela. No caso da ciclovia e da redução das quatro faixas para duas, devo ter sido quase o único a defender que isso era necessário. Terei sido o único a defender que a ciclovia deveria ter sido feita no lado nascente da avenida col. militar, terei sido dos poucos que há 16 anos defendo a presente situação emel para a quinta da luz (assim, ou mais ou menos assim). No que toca ao mais ou menos assim, é que a porca torce o rabo, pois é! É aqui que a emel chumba na minha apreciação no que toca ao aproveitamento do espaço existente. A emel está a limitar-se a pintar os espaços existentes NÃO SE PREOCUPANDO MINIMAMENTE COM O ESTUDO E AMPLIAÇÃO DO ESPAÇO PARA MAIS ESTACIONAMENTO, NÃO NECESSITANDO DE FAZER OBRA FISICA PARA NÃO AGRAVAR O ERÁRIO MAS UTILIZANDO UM POUCO MAIS A CAPACIDADE TÉCNICA PARA O CONSEGUIR.

Vários são os casos onde isso é verificável e, como moradores, cujo seu espaço para colocarem as suas viaturas lhes era roubado pelos visitantes e agora temos de pagar para termos alguma garantia, digo-vos que o estacionamento não vai chegar para que, como diz o regulamento geral de edificação urbana, faça a C.M. de Lisboa garantir aos moradores que terão um espaço assegurado diariamente para estacionar, cumprindo o código da estrada.

É preciso que haja alguém com visão suficiente para aproveitar a oportunidade e fazer-se um verdadeiro aproveitamento do espaço público sem obra e a custos baixos!
Há muito a fazer neste bairro no que toca à mobilidade:
- ao acesso de proximidade para cargas e descargas dos seus moradores às residências;
- ao simples poder circular com um carro de compras quando se vem do colombo;
- ao também necessário encaminhamento dos ciclistas que saem de suas casas para que possam em segurança chegar até à ciclovia;


- à grande preocupação de melhorar os caminhos para a população, cada vez mais idosa, para que possam sair de suas casas sem correr o risco de tropeçar com desníveis evitáveis;
- raízes de árvores que estragam os passeios, baias que estão partidas há dez anos, baias que faltam em desníveis perigosos;
- águas que saem dos relvados para os passeios devido à sua exagerada rega que originam maior crescimento das relvas e arbustos;
- em relação à iluminação é triste verificar que um bairro com este nome (Quinta da Luz), à noite, em alguns espaços, haja insuficiência de luz porque, apesar de haverem treze tipos de candeeiros diferentes, alguns deles a dois metros uns dos outros, e outros colocados debaixo de árvores (que muitas delas não são controladas no seu crescimento e algumas até são mais altas que os prédios) que anulam a sua eficácia;
- é sabido por nós moradores a incapacidade de, em caso de incêndio, os bombeiros chegarem a todas as fachadas dos edifícios devido a desníveis do terreno e ou obstruções físicas criadas de propósito;
- e os cães?! Os animais de que todos gostamos! Não deveriam também ter um espaço próprio em vez de defecarem em tudo o que é espaço público?!


Um sem fim de pormenores que podem e devem ser executados e a que os cidadãos têm direito que Câmara, Junta de Freguesia e Associação de Moradores deverão dar efectiva observância.

Que pena termos que andar sempre atrás dos serviços para que façam e façam bem!!!

Lisboa, Carnide, Quinta da Luz, 2009.10.16
manuel jorge

terça-feira, 13 de outubro de 2009

MODO FÁCIL DE FAZER CICLOVIAS

Veja-se como é fácil e económica inclusão de ciclovias nas cidades. Não é preciso inventar nada!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Novas ideias para a cidade

Novos movimentos geram novas ideias!

De Oeiras para Lisboa

Vamos mudar as cidades? Ser mais felizes e mais saudáveis?
Os árabes que fiquem com a gasolina!

As vias dos ciclistas na Europa central

Nós lisboetas deveríamos visitar qualquer um destes países para vermos como é tão saudável usar o veículo de duas rodas.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Ai Pacheco ao que tu chegaste!!!

Não querendo transformar este espaço onde prometi continuar a abordar o que se tem feito em termos de tráfego exponho o seguinte texto.
Hoje ainda em férias li este artigo ao qual faço uma vénia e reporto pois no meu ponto de vista está muito interessante.

Então aqui vai do Macroscopio:
"Desde o Congresso de Guimarães, e até mesmo antes dele, que o sociólogo, politólogo, historiador, político e activo conselheiro de Manuela Ferreira Leite se tem apresentado nos media como o principal "agente imobiliário" de Ferreira Leite junto do eleitorado. A sua persistência em promover pessoal e politicamente Ferreira Leite deixa subentender que Pacheco procura rentabilizar ao máximo um "imóvel em ruínas" num mercado para compradores de classe A, i.é, de elevados rendimentos. E por alguma razão (ou razões) - essa mesma classe A - bem como as classes B e C - não têm feito os seus lances no sentido de "comprar" as propostas políticas de Ferreira leite que são indirectamente as que Pacheco também defende, naturalmente. Daí a analogia do mercado político com o mercado imobiliário e, consequentemente, a baixa descida nas intenções de voto que as sondagens têm revelado acerca de Ferreira leite.
Mas o mais curioso tem sido os argumentos expendidos pelo próprio Pacheco Pereira para justificar essa queda progressiva de Ferreira leite nas intenções de voto. Diz Pacheco, pasme-se, que são os media que têm desenvolvido uma campanha negra contra a Manuela, e que, dessa forma, ajudam o Governo a manter-se à tona. No entender do gúru de Manela são os jornalistas que têm tecido o insucesso de Ferreira leita na arena política em Portugal, e não os seus mais do que evidentes deméritos e incapacidade de liderança - seja no plano da estruturação de medidas realistas como alternativa ao PS que favoreçam a saída da crise em que mergulhámos, seja no plano da comunicação dessa mensagem em termos de opinião pública. Para Pacheco, está montada uma campanha negra em torno da sua líder com o fito de a afundar.
Ou seja, para Pacheco a Manuela não cometeu erros de substância e de forma. Para Pacheco a Manuela apresentou um programa de Governo no qual os portugueses se reviram, ela nunca hibernou e, já agora, também nunca foi oportunista ao colar-se aos sindicatos da fenprof (greve dos professores) e da CGTP em matéria de Código do trabalho. Na esfera da segurança e prevenção da alta criminalidade Pacheco acha que Leite andou bem, com a greve dos camionistas também, com a política económica - obrigando Paulo Rangel a dizer num dia que é contra as obras públicas e no day after dar o dito por não dito - Pacheco também entende que Leite é uma multidão de congruências...
De facto, a realidade não é como Pacheco a pinta, ela tem outros contornos, é povoada de outros factos que constroem outra narrativa em torno da sua líder e que explicam, não com os argumentos falsos de Pacheco, mas com os da própria realidade o rotundo falhanço socioeleitoral de Manuela Ferreira leite à frente do psd. De resto, qualquer militante de base do partido o afirma. Nesta óptica, Leite representou o maior embuste político do pós-25 de Abril.
E porquê?
As razões são múltiplas: em parte porque Leite construíu muito a sua imagem assente na sua autoridade em finanças públicas, obrigando o País a ver nela uma espécie de "Cavaco de saias", firme e dura a negociar, rigorosa e capaz de impôr a Portugal políticas fiscais e outras capazes de equilibrar o nosso crónico défice e, desse modo, endireitar o Estado. Ora, isto, como se provou pelas suas políticas fiscais em 2004, revelou-se um fracasso, saldando-se por meter um garrote ao empresariado no tempo do Governo Barroso.
Depois a respaldar Leite estava a mola presidencial - chamado Cavaco Silva, um amigo pessoal de Leite, com quem ela contou em muitos aspectos, até ao ponto em que começaram a ser contraproducentes. Designadamente a partir do momento em que Leite passou a operar como uma espécie de porta-vox não autorizado de Belém, ficando o País a saber o que Cavaco iria dizer ou fazer em matéria do Estatuto dos Açores, lei do divórcio e noutras matérias em que a Manuela - por atavismo político e alguma estupidez natural - não conseguiu manter reserva sobre tais conversas e matérias. Um desastre, portanto. Ao ponto de Manuela passar a representar um fardo político para Cavaco mais pesado do que o próprio Manuel Joaquim Dias Loureiro, à propos do caso BPN...
Depois porque Leite nas suas intervenções, e sempre que deixava de ler o seu guião escrito pelas fichas de Pacheco, só fazia afirmações verdadeiramente lamentáveis, como aquela do American club, ao defender o regresso da ditadura para facilitar a realização das reformas em Portugal. Mesmo que tenha sido um aparte, denota uma baixa cultura política e democrática - que no conjunto - fazem de Ferreira Leite um quadro impreparado e sem nenhuma vocação para uma função executiva como aquela que exige o lugar de candidato a PM.
Com feito, foram estas razões e não as que Pacheco adianta, que explicam o marasmo do psd e a situação política degradada em que Leite hoje se encontra. Mas o mais curioso em tudo isto, além da equipa de colaboradores de Leite que é verdadeiramente desastrosa, é que Pacheco não hesita em colar os resultados de Leite a uma campanha negra contra a sua líder, e em matéria de Freeport - quando de facto essa campanha negra existe (e até com requintes de malvadez) o mesmo Pacheco (já) não consegue ter elasicidade mental (ou honestidade intelectual) para encontrar aí motivos e razões suficientes para a qualificar da mesma forma, ou seja, uma verdadeira campanha negra.
Daí o sectarismo analítico e político de Pacheco, daí a sua incongruência e falta de honestidade intelectual. Pacheco sabe que a derrota de Leite é, acima de tudo, a certidão de óbito da sua própria actividade enquanto gúru desse grande embuste político chamado Manuela Ferreira Leite.
Será caso para dizer: estão bem uma para o outro. Mas uma coisa Pacheco - para retomar aquela metáfora analógica inicial - não pode continuar a fazer, que é iludir as pessoas tentando vender um T0 sito na Buraca como se tratasse de um T4 na Lapa com vista desafogada para o rio Tejo.
Voltará a não encontrar interessados nessa aquisição e os resultados verdadeiramente desastrosos..."
posted by Macro at 19.2.09

segunda-feira, 3 de agosto de 2009



ALTERAÇÕES VIÁRIAS NOS ÚLTIMOS 40 ANOS NA CIDADE DE LISBOA

Ligado a assuntos de tráfego desde há 40 anos tenho acompanhado o pensamento e obra de vários intervenientes na matéria, tanto os simples feitores iluminados que alguma vez tiveram a oportunidade de poder servir o utilizador da via, nomeadamente nas cidades, como de alguns Presidentes de Câmaras e alguns projectistas.

Este tema em geral será o motivo desta aproximação aos que me “visitarem”. Interessam-me assuntos sobre obras viárias que fui vendo pelo país fora, desde a delapidação viária da linda Av. da República dos anos 70 (era idêntica à ainda Av. da Liberdade), ao disparate de transformar o seu eixo central para se criar um anedótico corredor bus em pisca pisca; a implantação de grandes cilindros de betão para evitar que os veículos não estacionassem nos seus passeios, hoje substituídos pelos não menos detestáveis marcos que tornam qualquer obra mais cara e que poluem o ambiente.

Tudo isto me doeu enquanto cidadão e enquanto feitor a quem deram oportunidade de fazer algo pelo utilizador da via mas de nem sempre poder contrariar o movimento errático da época.

Nos anos 70, os peões ainda eram o elo mais fraco da via pública!
Começaram a dar-se os primeiros passos para que o peão tivesse algum direito sobre a via, normalizaram-se cotas mínimas para os caminhos pedonais, etc, etc. Mas a prioridade era (e ainda é) resolver a situação de tráfego de veículos automóveis.
Compreendia-se que assim fosse pois, pudera, as ruas de Lisboa com excepção da baixa do Sr. Marquês de Pombal e das chamadas Avenidas Novas, ainda tinham características de azinhagas, como aquelas em que circulavam as carruagens puxadas a cavalo quando se dirigiam a Sintra a Caneças, ao Norte ou ao Alentejo nos anos 40.

Vejam que com a expansão da zona da expo 98 quantas azinhagas que existiam foram destruídas.

· Para que fosse feito o primeiro corredor bus, foi preciso deitar prédios abaixo na estrada de Benfica;
· Para que fosse possível circular-se na maior parte das ruas de Lisboa foi necessário implementar, em 50% das ruas, sentidos únicos! Continuou-se, no entanto, a construir edifícios sem lugares para estacionamento, ou este dava lugar a mini e super mercados ou áreas de arquivos.
Não penso cometer nenhuma informalidade se contar uma situação que vivi nos anos 70:
- Um dia analizei um pedido duma entidade pública para que lhe fosse concedido um espaço na via pública, para 50 viaturas, na rua onde se situava um ministério para quando houvessem reuniões importantes.
Fazia parte da minha análise verificar quais eram as condições do requerente na sua propriedade. Verifiquei então haverem 3 pisos de estacionamento ocupados com arquivos! Os moradores iríam ficar sem estacionamento na via! ...

Nos anos 90 continuou-se a beneficiar o automóvel e não tendo ainda os projectistas conquistado para o peão 50% de direitos que desde essa altura já defendia para qualquer projecto, surgiu a tentação de reservar para os carros espaços deixados para jardins e baldios, sem se pensar por exemplo em silos na vertical.
Ainda assim com todo o dinheiro mal gasto a fazer estacionamento na via pública e não se fazer o mesmo no espaço dos condomínios. Temos o resultado à vista: passeios que nem sequer dão para colocar o mobiliário urbano, não dão para que os peões se cruzem com facilidade.
Há como maus exemplos desta urbe recente Telheiras e Quinta da Luz e muitos outros projectos aprovados no planeamento de muitas câmaras deste país.

Continuamos a ter exiguidade de estacionamento nas ruas de lisboa, o que agrava a velocidade de circulação que deveria rondar sempre os 40 kms para que a cidade pudesse funcionar sem os males inerentes à pouca velocidade como por ex o CO2.
Assim e dado existirem estes contratempos nesta cidade, como noutras, defendo para o ano de 2010:
· as vias têm de servir para arrumar as viaturas duma forma provisória, só com pintura, evitando a obra física porque nunca é definitiva e é mais cara;
· as soluções a encontrar devem permitir sempre, uma faixa de rodagem a correr, sendo preferível em contraste com o termos vias de 4 faixas e sem estacionamento e por vezes sem passeios (caso da av Colégio Militar), nem zonas para cargas e descargas e tomada de passageiros.
E vê-se tanto disso por aí!!!

domingo, 2 de agosto de 2009

A POLUIÇÃO NO GLOBO E NÃO SÓ... ESPREITA!

Antes de escrever sobre o tráfego nas cidades,não quero deixar de vos mostrar esta www interessante sobre a poluição no planeta.


http://www.breathingearth.net/